Projeto Gotinhas em Ação


Ler em formato flip
23/07/2021 #Editora Concórdia #Crianças #Mulheres #Congregações

Ensinando às crianças o valor da solidariedade

Projeto Gotinhas em Ação

Que tal estimular a solidariedade desde a infância? A ação social pode começar quando as crianças são ensinadas desde pequenas a auxiliar o próximo, seja com a doação de roupas, brinquedos, alimentos, como também com a oração e a dedicação do tempo.

Os primos Theo Milhomem de Abreu e Valentina Herberts, da Congregação Cristo Redentor, de Palmas, TO, iniciaram o projeto Gotinhas em Ação, com o apoio da avó, Elvira. Para auxiliar na campanha do Banco de Leite de uma maternidade da cidade, eles começaram a arrecadar frascos de vidro com tampa plástica, que são usados para armazenar o leite materno destinado a bebês internados em unidades neonatais. Em quatro anos já foram doadas cerca de 500 unidades.

“Eu e o Theo somos gotinhas bem pequenininhas e fazemos uma ação”, comenta Valentina. “E são gotinhas de amor, de solidariedade, de leite, que vão salvar bebês”, Theo acrescenta.

Eles explicam que vão nas casas pedir os frascos e também conversam com colegas e professores nas suas escolas, e, inclusive, nas aulas de karatê. Valentina conta: “A gente estuda na igreja e na escola o ‘fazer o bem sem olhar a quem’, e às vezes a pessoa que a gente não está olhando, necessita da nossa ajuda”. E o primo Theo complementa que “Não tem problema doar para uma pessoa que não conhecemos, pode ser que ela precise mais que a gente. O mundo seria melhor se cada um doasse alguma coisa para as pessoas que precisam”.

A avó das crianças, Elvira Herberts, é grande incentivadora e ressalta que o projeto é custo zero: “É muito importante esse vidrinho chegar aos bancos de leite. Além disso, tem o viés de contribuir com a natureza, já que ele não vai para o lixo nem para a reciclagem, mas vai para o hospital salvar vidas”. Ela também lembra um episódio em que o neto, Theo, estava de férias na cidade de Redentora, interior do Rio Grande do Sul, e contou aos amigos sobre o projeto. Como não há hospital ali, através da Secretaria de Saúde conseguiram encaminhar os vidros ao banco de leite na maior cidade vizinha, Ijuí. “Tem várias formas de contribuir, basta começar”, ressalta.

Os frascos são utilizados para coleta e armazenamento do leite doado pelas mães que estão amamentando e têm uma produção de leite superior à necessidade de seu bebê. “De junho/2020 a junho/2021 foram doados mais de 1,8 mil litros de leite apenas em nosso Banco de Leite Humano em Palmas. Por isso é importante esse envolvimento de toda a sociedade, inclusive das crianças, na arrecadação de vidros”, informa Walkiria Pinheiro, coordenadora do BLH do Hospital e Maternidade Dona Regina e da rede estadual de Bancos de Leite do Tocantins. Ela salienta ainda que as lactantes podem doar a qualquer momento, independentemente da idade do bebê, bastando entrar em contato com o BLH mais próximo.

 

Escola dominical

Que tal reunir as crianças da congregação e iniciar o projeto na sua cidade? Os vidros arrecadados devem ser destinados ao Banco de Leite Humano, e são mais de 200 unidades espalhadas em todos os estados do Brasil.

Caso não tenha hospital ou BLH em sua cidade, proponha uma parceria com a secretaria de saúde municipal para fazer essa entrega. 

Theo ressalta algo muito importante: “Os bancos de leite só aceitam vidros com tampa plástica (como os de café solúvel), porque se for com tampa de metal pode azedar o leite”.  E Valentina deixa o recado: “Pode fazer que a gente ajuda. É bem bacana e você se sente muito bem em ajudar as outras pessoas”.


Confira o vídeo: aqui Leia mais sobre o Agosto Dourado - redes de apoio e os Bancos de Leite Humano clicando aqui.

Natacha Teske

Jornalista, São José, SC natachateske@gmail.com

Editora Concórdia Leia mais


Assine o Mensageiro Luterano e
tenha acesso online ou receba a
nossa revista impressa

Ver planos