Sociedade Bíblica do Brasil


Ler em formato flip
18/06/2021 #Artigos #Editora Concórdia

Entrevista

Sociedade Bíblica do Brasil

A Palavra que transforma vidas ainda não está presente em todos os lares brasileiros, ainda.  Mas há muita gente dedicada a este serviço, trabalhando nas traduções da Bíblia para os mais diversos idiomas e linguagens, enfrentando obstáculos como grandes distâncias, cárceres, leitos hospitalares e desigualdades sociais para aproximar todos do evangelho salvador.

A Sociedade Bíblica do Brasil (SBB), que está completando 73 anos, realiza muito mais que a produção e distribuição de bíblias. O reverendo Assir Pereira, presidente da organização há seis anos – mas voluntário desde a infância, conta sua trajetória e relação tanto com a SBB como com a causa da Bíblia.

 

Quem é o reverendo Assir Pereira? Qual sua relação com a Bíblia e com a SBB?

Nasci em Ubarana, SP, há 79 anos; casado com Dayse há 51 anos; 2 filhos e 6 netos.

Sou a terceira geração de presbiterianos independentes. Meu avô materno, de origem humilde e de índole violenta, converteu-se a Cristo ao ouvir a pregação por um missionário itinerante, que se embrenhava pelo sertão vendendo Bíblias e falando de Jesus. De violento que era, pela graça divina e leitura da Palavra de Deus, tornou-se em um homem doce e pacificador, a serviço do Bom Mestre. Passou a ser pregador da Palavra, trazendo toda sua família e vizinhos aos pés de Jesus.

Minha relação com a Bíblia vem de meus pais. Cristãos piedosos, desde pequeno, nos cultos domésticos nos ensinaram as Sagradas Letras. Minha mãe, quase sem instrução, inventava pequenos concursos bíblicos entre seus filhos, o que nos levou a amar as Escrituras. Este contato com as Escrituras foi decisivo para minha vocação pastoral.

Sou pastor há 52 anos da Igreja Presbiteriana Independente, e por doze anos a servi como seu presidente; tendo também lecionado Teologia da Missão no Seminário da Igreja.

Na vida secular: professor universitário de Ética e Antropologia; servidor aposentado da Polícia Federal; em 1989/90 presidi a FEBEM paulista, hoje, Fundação Casa.

 

Em junho a SBB completa 73 anos. A quem pertence a SBB e o que ela faz?

A SBB pertence à igreja brasileira e está a serviço de todas as igrejas cristãs, inclusive a Igreja Católica, que usa uma das nossas Bíblias: a Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH). Fazem parte da sua governança representantes de todas as igrejas no Brasil. Nos últimos anos tem tido como diretores executivos pastores da IELB, sendo que atualmente o cargo é ocupado pelo Rev. Erní Walter Seibert.

Muitos pensam que somos uma produtora e distribuidora de Bíblias. Também somos isso, mas a missão da SBB é muito maior. Seu lema diz tudo: “Semeando a Palavra que transforma vidas”. Seus ministérios nos presídios, nas escolas, junto à população ribeirinha na Amazônia, são reconhecidos. Visite o canal da SBB no Youtube: https://www.youtube.com/sbb-brasil

 

Como era a distribuição e quais bíblias estavam disponíveis antes da SBB iniciar seus trabalhos?

A distribuição era majoritariamente feita pelos colportores. Até 1948, tínhamos duas traduções que serviam os evangélicos: a Revista e Corrigida (RC), de 1898, e a Tradução Brasileira, de 1917, está quase em desuso à época. A partir do advento da SBB, um grupo de líderes e biblistas entendeu que era necessária uma Bíblia mais próxima da realidade da língua dos brasileiros. Então uma tradução, que recebeu o nome de Revista e Atualizada (RA), ficou pronta em 1956, mas que por falta de papel bíblia e recursos, só saiu em 1959.

 

Há quanto tempo o senhor é voluntário na SBB?

Quando foi fundada, em 1948, a SBB adotou o lema “Dando a Bíblia à Pátria”, e meu pai tornou-se um contribuinte fiel. Todo mês colocava num envelope uma oferta para a SBB com o nome dos 4 filhos. Eu, com seis anos, começo, sem saber, a ser voluntário da causa da Bíblia. Este voluntariado ganhou força no meu tempo de seminário, e, por fim, desde 1988 como diretor e, nos últimos seis anos, como presidente da SBB.

 

Quais são as atribuições da Governança da SBB?

A governança é constituída de líderes voluntários das diversas denominações. Ela é composta por vários órgãos: Assembleias Geral e Administrativa, Diretoria, Conselhos Consultivo, Fiscal e da Gráfica. São suas atribuições, entre outras: ouvir as igrejas em seus anseios e reclamos, no que concerne às necessidades de Escrituras Sagradas, elaborar planos, propor e corrigir rumos, dar diretrizes, ouvir o corpo operacional, composto por pessoal altamente técnico e remunerado que faz o dia a dia da instituição.

Entre as muitas organizações de que participei, posso dizer que a SBB é modelo de convívio e respeito entre as diversas confissões religiosas e tendências dentro do universo evangélico. Isso é possível porque a SBB não tem compromisso confessional com esta ou aquela denominação cristã. Seu compromisso é com a sua missão de dar a Bíblia à Pátria.

 

Como a SBB está enfrentando a pandemia?

Como todas as organizações, com ou sem fins lucrativos (a SBB é uma organização sem fins lucrativos), enfrentamos grandes dificuldades. Tivemos que fazer cortes em várias áreas, inclusive de pessoal. No entanto, a pandemia surgiu como oportunidade de se fazer uma verdadeira reengenharia, onde foi priorizada a missão.

Nossos recursos vêm da venda de Escrituras e da contribuição de doadores que amam a causa bíblica, e nunca houve tanta generosidade como neste tempo pandêmico. Com os templos fechados, esta generosidade veio em boa hora. Uma informação importante: um quarto do que é arrecadado pela SBB é destinado à doação nos vários projetos. No site da SBB, https://sbb.org.br, há toda orientação de como ofertar.

 

Como funcionam os projetos evangelísticos-sociais da SBB?

LUZ NA AMAZÔNIA – Transformar histórias, sonhos e vidas: essa é a missão que o Luz na Amazônia cumpre há mais de 50 anos. Este programa atende moradores das comunidades ribeirinhas em situação de risco e vulnerabilidade social. Após muitos anos de utilização, nosso barco hospital precisa passar por reforma para continuar sua missão de levar esperança e vida aos milhares atendidos anualmente por este projeto. Esta reforma demanda recursos na ordem de R$ 650 mil reais.

RECOMEÇARDesde sua fundação, a SBB trabalha na difusão da mensagem bíblica em presídios e hospitais e apoia milhares de capelanias e igrejas que realizam o trabalho evangelístico junto a pessoas em situação de cárcere e hospitalização.

Essa campanha visa atender à grande demanda por materiais bíblicos em presídios e hospitais, beneficiando: 7,5 mil pessoas em instituições penais; 6 mil presos e 1,5 mil profissionais dos presídios; 7,5 mil pessoas em instituições de saúde; 6 mil enfermos e familiares e 1,5 mil profissionais da saúde.

Todos podem participar: orando, compartilhando e doando. Veja mais informações em:   https://sbb.org.br/campanha-luz-na-amazonia/ e https://sbb.org.br/campanha-recomecar/

 

A SBB procura tornar a Bíblia mais acessível para todos, também na linguagem (braile, línguas indígenas, em áudio, digital, tamanhos de letras, em quadrinhos, infantil, de estudo, entre outros). Qual a importância desse trabalho?

O anseio de todos nós é conseguir entender a Palavra de Deus na nossa língua. Daí a grande preocupação da SBB: tornar a Bíblia acessível ao maior número de pessoas, a um preço que possam pagar e numa linguagem que possam entender. O grande propósito da SBB é o ministério de inclusão, como por exemplo a Bíblia Braille. Ela é produzida na nossa Gráfica da Bíblia e conta com 38 volumes, que, se colocados um sobre o outro, alcançam quase dois metros de altura. Sua produção custa R$ 4.980,00, e ela é totalmente doada: cerca de 2 mil deficientes visuais recebem gratuitamente todo mês um livro da Bíblia em Braille.

A SBB vem trabalhando na tradução para LIBRAS, a Língua Brasileira de Sinais, há pelo menos 10 anos, e atualmente estão disponíveis dezenas de histórias bíblicas.

 

A SBB já traduziu a Bíblia em quantos e quais idiomas?

Em português são cinco: Revista e Atualizada, Revista e Corrigida, Nova Tradução na Linguagem de Hoje, Tradução Brasileira e, a mais recente, a Nova Almeida Atualizada. A SBB mantém o firme propósito de levar a Bíblia a todos os brasileiros, e hoje temos oito bíblias completas e 37 novos testamentos em línguas minoritárias. Atualmente a SBB está trabalhando na tradução para o Pomerano, o Hunsrik, para a língua Aguaruna e Kaingang, além da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS).

A beleza dessas traduções para as línguas indígenas está no fato de serem quase todas ágrafas, ou seja, não possuem grafia. A grande contribuição da SBB é possibilitar aos indígenas, além de poderem ler a Bíblia em sua língua, ganharem a grafia, e assim passarem a escrever e registrar suas tradições, que antes eram transmitidas de geração em geração oralmente.

 

Museu da Bíblia, onde fica e como visitá-lo?

O Museu da Bíblia (MuBI) está localizado em Barueri, SP. A visitação ainda não é possível devido ao cenário de pandemia. Ele conta com 10 áreas, por meio das quais é possível fazer um verdadeiro mergulho na história do Livro Sagrado: A Bíblia e a História da Escrita, A Bíblia e a História da Tradução, A Bíblia e a História do Livro, A Bíblia no mundo, A Bíblia no Brasil, A Bíblia falada, O conteúdo da Bíblia, Novidades sobre a Bíblia e espaço para exposições rotativas/temporárias.

O MuBI possui uma réplica da prensa de Gutenberg, que imprimiu a primeira Bíblia da história por volta de 1450. Possui um acervo com 144 traduções bíblicas. Além disso, expõe materiais trazidos de Israel, como o trigo, o joio, água do Rio Jordão, sementes de mostarda, um pouco de terra de Belém e água do Mar Morto; Papiros; Pergaminhos; Miniaturas da Bíblia; O menor livro do mundo; A Bíblia impressa numa única página e muitos outros objetos como os perfumes mencionados na Bíblia. Mais informações aqui.

 

Quais são os principais números da Gráfica da Bíblia?

Antes da prensa, uma Bíblia completa levava dois anos para ser produzida. Com Gutemberg, nos primeiros cinco anos foi celebrada a produção de 250 unidades. Hoje, nossa gráfica, que é considerada, junto com a da China, a maior gráfica da Bíblia do mundo, quando em pleno funcionamento, produz uma bíblia a cada três segundos. Nossa gráfica já chegou a produzir mais de dez milhões de bíblias no ano. Desde sua inauguração, em 1995, já foram produzidas mais de 180 milhões de bíblias, enviadas para mais de 100 países e em 34 idiomas.

 

Como funciona a distribuição?

A SBB tem sete secretarias regionais e duas unidades regionais no Brasil através das quais se faz a distribuição de bíblias, e que permitem, dessa forma, uma maior capilaridade de nossa presença no país. Na pandemia, pela graça de Deus, embora em momentos com as portas fechadas, não houve interrupção do atendimento. Pessoas continuaram procurando na Palavra de Deus palavras para vencer o medo e recomeçar suas vidas.

 

Fale sobre um pouco sobre o Fórum de Ciências Bíblicas.

O Fórum de Ciências Bíblicas ocorre nos dias 12 e 13 de agosto, de forma on-line, com o tema “A Bíblia e o jovem”, com o objetivo de ajudar as igrejas na tarefa de engajar as novas gerações com a Palavra de Deus. Entre outros convidados, teremos o pastor Luciano Subirá, João Branco (diretor de Marketing do McDonalds) e o pastor Wellington Neto. Informações e inscrições podem ser feitas pelo https://sbb.org.br/forum-de-ciencias-biblicas/

 

Os devocionais diários que compartilha pela internet.

De onde vem a inspiração e a motivação?

O devocionário recebeu o nome de Dia a Dia Com Cristo e começou no segundo dia da quarentena. De início apenas pelo WhatsApp, uma semana depois, pelo Facebook, e, três semanas depois, por solicitação de várias pessoas, pelo Youtube. Começamos despretensiosamente e nos surpreendemos com o alcance.

Para minha geração, que não domina essas tecnologias, tudo é muito surpreendente. São dezenas de testemunhos diários do que Deus tem feito na vida dessas pessoas. Vem daí a minha motivação. Fui presenteado por Deus com saúde para não faltar um dia sequer nesses 400 dias. A inspiração vem das Escrituras Sagradas. Faço questão de diariamente apresentar uma Bíblia diferente das que são produzidas pela nossa gráfica. Quem tem a Bíblia como inspiradora não precisa ser muito criativo. A Bíblia é incrivelmente completa. Encontramos nela todos os temas do cotidiano. É por isso que é chamada de Livro dos livros.

 

Qual a importância de ler e estudar a Bíblia?

Rui Barbosa escreveu: Se eu coloco a Bíblia abaixo de todos os livros, ela é a que mantém todos eles, se eu a coloco no meio dos outros livros, ela é o coração destes livros, e se eu a coloco em cima dos outros livros, ela é a cabeça e autoridade de todos os livros em minha 

biblioteca.

Pesquisas mundiais revelam que o livro mais lido e o mais querido, não só no Brasil, mas em todo o mundo, é a Bíblia. Toda a civilização Ocidental está marcada pelo poder e influência da Bíblia. A importância de lê-la e estudá-la? Porque é através dela que Deus se dá a conhecer a nós. Neste período de pandemia, a procura pelas Escrituras foi muito grande, isso é tão verdadeiro que a SBB não fechou suas portas para atender a procura por bíblias. As próprias autoridades reconhecem sua importância. A única organização no Brasil que em situação de desastre tem autorização para atuar levando conforto, assistência material e espiritual é a SBB. Foi assim nas catástrofes com o avião da TAM, na Boate Kiss, nos deslizamentos de terra em Santa Catarina e no Rio de Janeiro, nossos programas nos presídios, hospitais e escolas.

Principal mensagem da Bíblia: não consigo pensar em outra, senão no versículo que é o centro e o resumo de toda a Escritura: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna (Jo 3.16).

Assine o mensageiro luterano e fique por dentro dessa e outras notícias

Já é assinante?

Não sou assinante

Natacha Teske

Jornalista, São José, SC natachateske@gmail.com

Artigos Leia mais


Notícias Leia mais


Assine o Mensageiro Luterano e
tenha acesso online ou receba a
nossa revista impressa

Ver planos